O seguro agrícola funciona como um produto de proteção à lavoura, conferindo maior segurança ao produtor rural.

No artigo de hoje, você compreenderá todos os cuidados necessários que o produtor deve ter ao acionar sua seguradora.

Continue a leitura para entender o que determina a lei acerca do tema.

Entenda o que é o seguro agrícola e qual a sua importância para o produtor rural

O agricultor que trabalha no campo investe diariamente seus recursos e seu tempo de trabalho na lavoura, concentrando seus esforços no momento da colheita.

No entanto, sabemos que a natureza é imprevisível: imagine, por exemplo, que o clima apresentou uma grande alteração e todos os seus recursos foram perdidos. O seguro agrícola protege o agricultor de imprevistos e oferece a ele indenizações em relação a possíveis prejuízos causados por fenômenos da natureza.

Conforme abordado no artigo sobre o direito securitário aplicado ao agronegócio, o seguro agrícola pode ter coberturas específicas, como o seguro de granizo e o seguro multirrisco.

A primeira opção é uma das mais antigas entre os seguros agrícolas existentes, protegendo o produtor contra perdas por tempestades de granizo. A apólice padrão indeniza um valor de cobertura por unidade segurada, sendo aplicada uma dedução mínima.

Já o seguro multirrisco cobre perdas derivadas de seca, chuvas excessivas, geadas, incêndio, ventos fortes, raios, entre outras questões de clima adverso. No entanto, por mais que tenha uma grande cobertura, o seguro multirrisco geralmente cobra altas taxas e fatores de redução significativos.

Seguro agrícola: os cuidados necessários ao acionar a seguradora

Por mais que o seguro agrícola traga diversos benefícios, é importante que o agricultor esteja atento no momento de acionar a seguradora. Afinal, são muitos os casos em que os produtores rurais se deparam com a negativa de cobertura pela seguradora, não sendo indenizados voluntariamente pela financeira.

Nesse sentido, alguns cuidados básicos são de extrema importância. Confira:

  1. Caso o produtor rural verifique que terá perdas em sua safra, é importante que ele tenha precaução antes da colheita, apresentando laudos assinados pelo agrônomo.
  2. Indica-se que o produtor rural comunique à seguradora do início da colheita e aguarde a sua autorização. Dessa forma o produtor evita que a seguradora alegue que a colheita foi realizada sem sua vistoria e antes do prazo ideal.
  3. Nos casos de comunicação de sinistros, realização da vistoria e do laudo de comprovação de perdas, procure um profissional para lhe auxiliar no processo. Caso o laudo seja assinado com alguma informação diferente o seguro tem grandes chances de ser negado. Segundo o portal Canal Rural, o produtor rural pode acusar sinistro a qualquer momento. No entanto, o contrato entre seguradora e produtor vai estabelecer um “gatilho” para definir a partir do quanto de quebra o seguro será acionado, a chamada faixa de cobertura.
  4. Utilize sementes ou insumos agrícolas de recomendação da seguradora para evitar que a seguradora alegue – em caso de perda – que a culpa é do produtor, que utilizou insumos inadequados e não recomendados.

É importante também que o produtor rural sempre tenha em mãos notas fiscais, recibos, laudos e outros documentos importantes. Assim, caso seja necessária a realização de um processo judicial, o advogado conseguirá reivindicar o seu direito de maneira mais facilitada.

Então, esclareceu as suas dúvidas sobre o seguro agrícola? Deixe o seu comentário!

 

CategoryDireito Cível

© 2017 GREGOIRE GULARTE ADVOGADOS | DESENVOLVIDO POR IDEIA AGÊNCIA DIGITAL | OTIMIZADO POR MARKE OTIMIZAÇÂO DE SITES

CONECTE-SE CONOSCO: